Vivendo 52 semanas por ano Emprego Archives - Vivendo 52 semanas por ano
06
jan
2014
Quer mudar? Então mude!

Gurias

Ontem, excepcionalmente, assisti Fantástico. Muito raro, mas estava, entre cozinhar feijão, e preparar a janta, vendo algumas cenas na TV.

Até que começou o Max Gehringer falando sobre o desejo de mais de 50% dos entrevistados daquela semana: Mudar de emprego / carreira.

max

 

Clique na imagem para assistir o vídeo da matéria.

Na verdade mudança muitos querem, mas poucos promovem. Do que vi, a maioria das pessoas procura:

Melhor Qualidade de Vida

Melhor remuneração

Mas, isso existe, porém, é necessário MUDAR! E as vezes a mudança dói, por que nos tira da zona de conforto, nos confronta com nossos medos, anseios e nossas limitações, e em alguns casos, as nossas crenças.

Eu mudei, comecei a planejar em final de 2012. Inicio de 2013 fiz pesquisas e em 2 de março entrei para a Mary Kay, inicialmente, para quem não conhece, pode parecer um declínio na carreira (sou formada em Administração de Empresas, com Pós-Graduação na ESPM em Gestão de Pessoas), mas ao estudar mais a fundo, vi que todos os objetivos que eu tinha e que não conseguiria atingir no mercado tradicional estavam me esperando nesta nova empresa – como empresária, autônoma e independente.

Com um detalhe gigantesco! Com QUALIDADE DE VIDA, TEMPO, E MUITA RENDA EXTRA!

É fácil? Não! Mas não é impossível!

É rápido? Bom… o tempo quem determina somos nós… considerando que uma pessoa passa as vezes 5 anos em uma empresa esperando por uma promoção (na maioria das vezes sendo enrolada em motivos prá lá de malucos), aqui, é possível (perfeitamente possível) crescer todos os meses. Basta se empenhar.

E se não der certo? Se você tentar e não der certo, simples, volte para a vidinha anterior e seja feliz, mas, o mais legal, é que nesta carreira você não precisa largar tudo para testar, pode começar aos poucos, com algumas horinhas na semana, ou até mesmo algumas horas no mês.

Mas será que você quer realmente mudar?

Se quiser, me avise, quem sabe eu posso te ajudar?

Beijocas
Cláudia S. Sachs

(*) post agendado

09
mar
2012
Série Emprego: O que vestir para a entrevista

Gurias

Nestes anos de trabalho, o que eu já vi nessa vida rende um bom livro do que NÃO usar em uma entrevista. Já vi de tudo.

Por isso, esteja atenta. Qualquer deslize poderá ser notado pelo entrevistador, e todo o seu perfeito currículo pode ir por agua abaixo.

O que NUNCA usar em uma entrevista: Roupas velhas, desgastadas e rasgadas. Roupas desbotadas – daquelas que já foram lavadas 1.000.000 de vezes. Roupas multicoloridas e roupas extremamente decotadas. Bermudas, saias muito curtas, roupas transparentes.

 

 

A lista é interminável, mas vamos sintetizar.

Na sua entrevista, a única coisa que deve chamar atenção do entrevistador é você e seu currículo. NADA MAIS!

Caso seu desejo seja usar saia, prefira o modelinho mais justo, na altura do joelho. Ou no máximo, os famosos 4 dedos acima do joelho. Neste caso, suas pernas devem estar depiladas, obviamente! Caso contrário – mesmo sendo em fevereiro em Porto Alegre, com 40 graus a sombra – prefira ir de calça.

A camisa deve ter um bom corte, uma regata de alças largas, ou aquelas blusinhas de tecido que não amassa. Sinta-se confortável. Não vá com a camiseta de propaganda. Ela é boa pra passear no final de semana ou na academia. Não no trabalho, muito menos na entrevista.

As transparências, plumas e os paetês ficam em casa tá?

Os sapatos devem acompanhar o look. Por favor, NEM PENSE em usar chinelos. As famosas rasteirinhas ficam longe do ambiente de trabalho. Pode ser a rasteirinha da Chanel, com cristais Swarovsky que custaram US$1.000,00. Continuam sendo chinelos. Prefira uma sandália discreta, firme no pé, que não faça barulho ao caminhar. Salto alto é bem vindo, desde que você esteja acostumada a andar com eles.

Amanhã falamos de makes 😉

Beijocas
Cláudia Sachs

(*) post agendado

08
mar
2012
Serie Emprego: As unhas na primeira entrevista

O curriculo foi para a pilha boa, e você foi chamada para a entrevista. Capriche!!!!

Todo bom emprego, começa na entrevista. Por mais indicada que a pessoa possa ter sido, sempre tem pelo menos a entrevista com uma pessoa da empresa.

Neste pequeno intervalo de tempo (cerca de 1hora) você terá que se vender. Mostrar que é capaz de abocanhar esta vaga.

Prefira sempre unhas mais tradicionais. Cores claras e sem muitos fru-frus.

Se a sua intenção é buscar uma vaga na área da saúde – clinica médica, estética, hospitais, consultórios – use apenas uma base transparente, ou no máximo uma camada de branquinho sobre as unhas – preferencialmente curtas. Na área medica, as unhas não são vistas com bons olhos pois são lugares onde a sujeira se acumula. Quanto mais curta e transparente são as suas unhas, mais sinal de limpeza e asseio você demonstra. Não faça francesinha!

Na área administrativa isso já não é tão obrigatório. Suas unhas podem ter um bom tamanho (sem exageros!!) e cores. Tons rosados, marrons e branquinhos são os mais comuns e que não brigam com as roupas. E nem chamam atenção às suas unhas. Afinal, você quer um emprego administrativo não é? Unhas decoradas, com pedrarias, ombre nail, francesinhas invertidas, é melhor deixar para outra oportunidade, ok?

Usei esta cor em uma das etapas do processo seletivo do meu emprego atual. Funcionou né?

E claro, em qualquer situação, unhas descascadas NUNCAAAAA!!!!! É melhor aparecer com as unhas “nuas” do que com resquício do esmalte passado.

Deixe predominar o seu bom senso! Pesquise sobre a empresa, o ramo de negócios e imagine como deve ser trabalhar lá. Isso ajuda bastante na hora de pensar em uma cor.

Beijocas
Cláudia Sachs

(*) post agendado

07
mar
2012
Série Emprego: Montando um Curriculo

Oi Gurias

Um curriculo não deveria ser algo difícil a ser escrito, ainda mais que nos conhecemos muito bem, a muito tempo não é mesmo? Mas as vezes é mais fácil descrever uma cena externa do que escrever algo de si mesmo. Mas, de uma maneira ou de outra, precisamos expor nossos conhecimentos e liberar essa informação para o mundo.

Não sou a pessoa mais conhecedora do mundo, e nem trabalho em processo de recrutamento e seleção, mas seleciono candidatos quando preciso, e auxilio o RH quando preciso preencher uma vaga.

Então, na prática, quando quero um candidato, observo um bom curriculo. E para passar adiante, espero encontrar a informação em 3 blocos.

 

Bloco 1:

Você! Seu nome, endereço, contatos. Se a vaga que você está pleiteando exige que você dirija, é bom informar a categoria da sua carteira de habilitação, caso contrário, isso não é necessário. Assim como RG, CPF, titulo de eleitor, número do PIS, carteira de trabalho, tipo sangüíneo. Não riam! Eu já vi tudo isso em um curriculo de um candidato. Toda essa documentação pode ser solicitada, mas se você for bom, e se passar para a segunda entrevista. Caso contrário, pode deixar a sua documentação oculta.

Muitas empresas fazem checagem nos candidatos (serasa principalmente), mas como isso é um processo caro, as empresas optam em fazer nos três últimos candidatos. Como se fosse uma etapa eliminatória. Contra lei ou não, isso é feito.

Informações como quantidade de filhos e estado civil, devem estar presentes no curriculo. Essa é uma informação importante para a empresa. O endereço de onde você mora. Se você pretende se mudar em breve, informe na entrevista. Embora isto não seja claramente divulgado, algumas empresas testam o endereço do candidato para saber sobre o vale transporte. Se moram longe ou perto, tempo de deslocamento, e qual será o investimento financeiro que a empresa irá arcar com o deslocamento deste futuro colaborador.

A sua idade também é importante, não necessariamente a data de nascimento. Você não receberá um cartão de aniversário por participar do processo seletivo, e muito menos quer que o selecionador perca tempo fazendo cálculos desnecessários não é? Coloque a idade e ponto.

 

Bloco 2:

Eu acho que este é o bloco mais importante do curriculo inteiro. É nele que você vai colocar o seu objetivo profissional, seus conhecimentos, e seu histórico acadêmico. Em no máximo 2 paragrafos curtos, você escreverá um resumo dos conhecimentos adquiridos durante a sua vida profissional, os setores que atuou, e seus pontos mais fortes. Normalmente o selecionador separa o curriculo quando chega neste bloco.

Quando falamos em histórico acadêmico, ou histórico escolar, não queremos saber onde você fez o Jardim de Infância. Muito menos em que escola você foi alfabetizado. O que a empresa precisa saber é sua formação. Seus estudos foram em escola técnica? Qual foi a faculdade que você cursou ou está cursando? Datas! Muito cuidado aqui!!! Se você se formou em 1910 e nunca mais estudou, pode ser que suas chances sejam reduzidas, pois pode parecer descaso com o próprio conhecimento!

Se você iniciou uma faculdade, e esta está trancada, não omita essa informação. Curso de Administraçao – 5º semestre (trancado). Com isso, o  selecionador saberá exatamente qual é a situação educacional do candidato. Em algumas empresas, isso pode ser uma barreira. Para outras, estar estudando pode ser um empecilho. Então, é sempre melhor dizer a verdade.

 

 

Bloco 3:

Onde você irá relacionar as atividades profissionais. Nome da empresa, data de entrada e saída (se for o caso) e cargo exercido. Relacione as atividades somente se você não conseguiu demonstrar no bloco 2, ou se você fazia alguma atividade muito fora do escopo do cargo e isso agregou valor a sua carreira.

Por exemplo, você é analista financeiro na empresa, mas participa ativamente na manutenção e criação do orçamento do próximo ano junto com os diretores. Isso é uma informação que foge um pouco do cargo analista financeiro (onde em muitos casos, apenas fornece relatórios e dados estatisticos para os diretores).

Sempre da mais atual para a mais antiga.

Observações:

Não existe uma regra formal sobre o número de páginas de um curriculo. Mas tente ao máximo, ficar em uma única página, ou, se não conseguir,  faça em duas, ocupando a metade da segunda página. É claro, que existem profissões que exigem curriculos mais extensos (acadêmicos de modo geral, profissionais da saúde, e alguns outros), analise qual é seu caso, e faça o curriculo conforme o seu objetivo profissional.

Coloco ou não uma foto? Isso depende. E como depende! Não dá pra colocar a foto da identidade… ninguém merece né?! Mas também não dá para colocar a foto da balada não é? Então, para não errar, só coloque a sua foto, se a empresa solicitar (normalmente no anuncio essa informação está disponível). Prefira fundos brancos, pode ser sorrindo ou séria. O importante é que seja uma foto que expresse você!

Montar um curriculo não é como uma receita de bolo. Não existe certo ou errado.

Mas, antes de enviar um curriculo para alguma empresa, leia atentamente e responda.

Você, na função de selecionador, colocaria este curriculo em qual pilha?

Beijocas
Cláudia Sachs

(*) post agendado

 

06
mar
2012
Série Emprego: O Curriculo

oi Gurias

Na série empregos, vou tratar de duas etapas de forma bem distinta. O processo de seleção, e depois os primeiros dias na empresa. E para participar de um processo seletivo, na grande maioria das vezes precisa de um curriculo.

O curriculo (ou curriculum vitae) é a forma que você tem de despertar (ou não) o interesse do entrevistador para uma entrevista futura. É baseado neste documento que o entrevistador irá formar duas pilhas iniciais: “presta” e “não presta”. Ou serve, e não serve. Ou tem chance e não tem nenhuma chance. Cruel? Nem tanto… é a realidade. A nomenclatura pode ser qualquer uma, mas na prática, o que o entrevistador quer, é encontrar um candidato capaz de absorver a carga de trabalho proposta.

Para isso, o entrevistador (ou selecionador) fará uma análise nos seus conhecimentos e nas suas competências que ele supõe que você adquiriu baseado no seu histórico profissional. Então, anotem ai algumas dicas para fazer bonito no processo de seleção.

NUNCA MINTA no curriculo. Nunca, sob hipótese alguma, diga que você detém um conhecimento que você não tem. Isso pode ser colocado a prova, na hora da entrevista. Onde as pessoas mais se perdem é na lingua estrangeira e em alguns casos, algum conhecimento técnico.

Você diz no seu curriculo que é fluente em inglês. Mas seu conhecimento é aquele: The book is on the table. O entrevistador te recebe, e já engata uma segunda e o inglês passa a ser a lingua falada no momento. Como sair dessa?

ESCREVA CORRETAMENTE na sua língua fluente. No nosso caso, em português. Cometer um erro de escrita ou gramática pode ser fatal. Não fassa isso nunca hein!!!! eheheheh

INFORME O SEU OBJETIVO profissional. Isso deve ser a primeira informação que o selecionador deve encontrar no curriculo. Parece óbvio, mas não é. E o objetivo é simples: Setor financeiro. Contabilidade. Enfermeira. Amplo, mas focado. Assim, ele não pegará um curriculo de enfermagem e colocará na pilha da contabilidade.

SEJA OBJETIVO. Quando uma empresa abre uma vaga, normalmente, recebe muitos curriculos. A pessoa tem que fazer uma triagem e enviar ao entrevistador, um número razoável de curriculos que se aproxime da vaga proposta. Então, se entre 300 documentos, você quer que o seu seja selecionado, seja criativo, honesto e sucinto.

Mas não invente moda! Já vi curriculos coloridos, com borda, com margem, com capinhas, com espirais (sim!!! encadernados!!!), enfim. O que vale mesmo é aquela folhinha no bom e velho word com as suas competências, seus conhecimentos e suas experiências profissionais. O resto….

Amnhã teremos o curriculo propriamente dito. Então, se quiserem aprofundar alguma área do curriculo, usem os comentários.

Beijocas
Cláudia Sachs

(*) post agendado

Páginas12
%d blogueiros gostam disto: